sexta-feira, 26 de março de 2010

E Portugal foi limpo

No dia 20 de Março, tal como planeado, decorreu a iniciativa Limpar Portugal. Com as tréguas das “Águas de Março”, no Faial limparam-se 75 toneladas de lixos, perdidos pelos lados das estradas, ribeiras, pastagens, pequenas indústrias… Eu sei lá… Havia e há lixo por todo o lado. Não são resíduos, é mesmo porcaria espalhada por mãos irresponsáveis, quase criminosas, que insistem em destruir a nossa ilha e a qualidade de vida que, indubitavelmente, temos.

Bidões podres abandonados em pastagens, televisões em ribeiras, artes de pesca nalguns dos locais mais bonitos do Faial, dezenas de máquinas de lavar roupa nos emblemáticos miradouros… Tudo isto deixou de fazer parte da nossa realidade porque, num Sábado de manhã, 70 pessoas acordaram mais cedo, arregaçaram as mangas e fizeram aquilo que 14930 também deveriam ter estado a fazer. Longe de mim ser paternalista ou arrogante, mas, o que há é o que há e essa reflexão ficará para a consciência de cada um.

Cada um destes participantes retirou cerca de uma tonelada de lixo que estava abandonado e, quando possível, transformou-o em resíduos, passíveis de reentrar na cadeia de valor ou reciclagem. Não sou capaz de imaginar o que teria acontecido se 10% dos habitantes do Faial tivessem participado… A média nacional de participação foi de 1%. Não é alto, mas no Faial foi de 0.5%. Numa terra que se auto-apregoa como especialmente preocupada com o seu Ambiente, merece uma profunda e crítica reflexão. A ilha que produziu António José de Ávila, Manuel de Arriaga e tantos outros valorosos, onde esteve a 20 de Março de 2010?

Nos Açores, a média de participantes também foi ainda pior, medíocre. Apenas 0.4% dos açorianos aderiram ao Limpar Portugal. Só a Ilha Terceira saiu deste cenário de desgraça, atingindo os tais 1% nacionais. Nas Ilhas do Corvo, Santa Maria, Graciosa e São Jorge não aconteceu nada no dia 20 e, sobre as Flores, não consegui confirmação, mas não me pareceu que algo tivesse acontecido… Apenas nas quatro maiores ilhas dos Açores houve acções, mas tímidas.

Mas as 70 personagens faialenses, as tais que retiraram, com muito suor (eu vi), as 75 toneladas de lixos do nosso quintal comum, tiveram ajuda de algumas entidades. Curiosamente, algumas das pessoas que pertencem a entidades, e portanto que estavam a ser pagas, não conseguiram limitar-se a cumprir a sua jornada. Quando o horário de trabalho terminou, continuaram a trabalhar, contagiados pela necessidade de terminar a tarefa e pela nobreza do objectivo e, tendo começado a trabalhar às 08:30 apenas terminaram às 19:50 (eu registei). Operaram máquinas, fizeram força, deram ideias e apontaram soluções. Aos funcionários e aos dirigentes da Tecnovia e Tecnovia Ambiente, Jante 18’ e Mais 18', Câmara Municipal da Horta, Varela Ambiente do Grupo Bensaúde, Juntas de Freguesia do Faial, Brigada SEPNA da Guarda Nacional Republicana, Escola Profissional da Horta, Construções Monte Carneiro, Almeida e Filhos, Administração dos Portos e do Triângulo e Grupo Ocidental, Grupo de Canoagem do Clube Naval da Horta, Hospital da Horta e Direcção Regional do Ambiente e Serviços Florestais do Governo dos Açores, o reconhecimento por uma tarefa bem feita.

Por decisão consciente, o Governo dos Açores resolveu não aderir ao Limpar Portugal. Sendo uma organização não governamental, não deveria ser o Governo a impor-se ou a tentar retirar visibilidades fáceis. Isso não significou que não estivesse presente. Todo o apoio solicitado foi prestado e alguns dos seus protagonistas, como o Secretário Regional do Ambiente e do Mar, discretamente, participaram enquanto cidadãos nesta actividade. Houve dirigentes autárquicos que, no Faial, se sujaram até mais não e um, nitidamente impossibilitado de fazer força por questões de saúde, esteve presente, dando ânimo aos participantes. Oxalá pudesse dizer o mesmo de todos. O grupo do Faial foi permanentemente acompanhado por representantes de todas as Freguesias (não escrevi “Juntas de Freguesia” de propósito) e coordenado pela incansável Rosa Dart. Não conseguimos cativar mais gente, e essa terá sido a única falha, mas, de resto, com mais de uma tonelada de lixos por pessoa, penso que se fez obra.

Fotos em:

http://picasaweb.google.com/fcardigos/LimparPortugal02#


1 comentário:

  1. Por lapso meu, quanto à sua participação no Limpar Portugal, a APTO não foi mencionada na versão impressa no artigo publicado Jornal Tribuna das Ilhas.

    ResponderEliminar